quinta-feira, 21 de agosto de 2014

Sobre dirigir sem medo

Parece um passado muito distante, mas foi no início desse mesmo ano que eu não me atrevia a sequer sentar no banco do motorista. Eu sabia que o tratamento na Clínica Escola Cecilia Bellina me faria dirigir, percebi que o método tinha fundamento assim que me foram explicados os detalhes.
A minha história é semelhante a todas as outras: só de pensar em dirigir, dor de barriga! Atrás do volante, pernas tremulas, erros técnicos comuns de quem não tem prática, um banco molhado de suor ao som desritmado do meu coração e respiração desesperados. Eu dirigia (não tranquilamente) antes de tirar a CNH (lá na roça, gente), mas após os 18 anos, com ela nas mãos, travei. Nenhum trauma claro, mas muitas desculpas. O tempo fez o que ele faz de melhor: passou... A CNH era apenas um documento de identificação. Eis que Papai do Céu fez Paulinha entrar na minha vida! Trocando experiências, decidimos nos apoiar e batalhar juntas por essa vitória. Loooongos sete meses e hoje, saímos juntas!
Destaque deve ser dado a Psicóloga espertinha que me laçou na primeira oportunidade: Marília, a culpa é toda sua! rs Mais que dirigir (ô, muito mais), trabalhamos o medo e seu controle em suas diferentes interfaces; além de mudar a forma como caminho - ops, agora vou de carro, meu beim! - mudou meu caminhar! Mais independente, mais forte, mais confiante, mais feliz!! Hoje digo de boca cheia: o tratamento na Clínica Escola Cecilia Bellina foi o melhor autoinvestimento que fiz!!
Obrigada a todos que participaram dessa vitória, conduzindo, respeitando, apoiando, desafiando e trocando experiências. Tenho por vocês carinhosa admiração!

Essa postagem não é propaganda. Mentira, é sim! Eu SUPER recomendo a Cecilia Bellina.

~ Essa postagem é dedicada à algumas pessoinhas que foram especiais durante a trajetória 'Eu, motorista':
      Primo Vitor, que me ensinou a dirigir como um perfeito AT pelos paralelepipedos de Carabuçu e curvas até Santo Eduardo;
      Jaqueline, Marília, David, Fabrício, Ivete e Walney, profissionais dedicados da Clínica;
      Meus pais, irmão e cunhada querida, sogros e Marido, <3
      Amigos Aninha, Babi, Rafael, Camilla e Junior, #Tamujunto. Paty, minha inspiração!
      Meninas “Mulheres no volante”, vão continuar ouvindo minhas histórias! ;)

Um comentário:

Marília Silveira disse...

Ilana Querida,

Que você ia conquistar o volante do carro com segurança e dirigindo para todos os lugares com prazer, disso eu já sabia!
Até porquê, parafraseando os ensinos do nosso Mestre Jesus Cristo,"àquele que vier a mim, de maneira nenhuma o lançarei fora, antes, o tomarei pela mão e o conduzirei a um caminho excelente!
E, como psicóloga colaboradora desta pioneira instituição em fobia de trânsito, que é a Clinica Cecilia Bellina, na qual tenho orgulho e o privilégio de trabalhar, busco em primeiro lugar, atender a necessidade de cada cliente, a fim de enfraquecer a ansiedade e o medo dentro do carro, para que não venha atrapalhá-lo a conduzir o mesmo, fazendo-o entender que o carro é uma aprendizagem exposta - primeiro é preciso ter segurança em si mesmo. E é muito comum, as pessoas sentirem medo, quando estão iniciando a técnica de dirigir, porque podem ter experimentado alguma situação ruim. Geralmente, quem tem medo, são pessoas que não gostam de errar e não têm coragem de enfrentar. Mas é importante ressaltar, que ninguém perde o medo se não entrar em contato com o objeto do medo. O medo gera ansiedade e a ansiedade gera desconforto.
Mas no dirigir, o que faz as pessoas recuarem é a falta de habilidade, porque as vezes, saem da auto-escola com a CNH e por estarem com a habilitação na mão, não têm noção de que antes, precisam de um tempo para praticar e conhecer a técnica e ir enfrentando o trânsito gradativamente. E, com a pressão da sociedade, que não é boa, prejudica ainda mais, gerando um sentimento de incapacidade e frustração. Por isso, muitas pessoas buscam ajuda na Clinica Cecilia Bellina, porque precisam de segurança, seriedade, determinação, direção defensiva, respeito, qualidade e acolhimento, que, sem sombra de dúvidas, irão encontrar - Como eu amo ver um cliente feliz e vitorioso, dirigindo para todos os lugares, sem medo de ousar, como é o caso da nossa ILANA, a você, minha querida, que outrora uma menina assustada e indefesa, veio nos procurar, agora, uma grande mulher, cheia de vida, ousadia e determinação, eu deixo o meu sincero agradecimento e votos de uma vida bem feliz no volante do carro.
A gente se encontra nas estradas da vida! Até breve!
Super beijo da psicóloga, agora amiga,
Marília Silveira
(Agora, na Unidade de Vitória-ES)
21 de agosto de 2014